Animais II

Gatos são uma das três espécies de animais mágicos que subsistem nos nossos dias. As outras duas espécies, obviamente, são as borboletas e os narvais, ou unicórnios-do-mar, nome inteiramente redundante, uma vez que nunca existiram unicórnios terrestres. O segundo foi inspirado no primeiro, juntando-o ao nobre cavalo e só, o que explica nunca terem encontrado ossos de unicórnios terrestres ou seu chifre a servir de amuleto para algum xamã americano ou bruxa do leste europeu. Mas acho que estou me perdendo… onde estava?

Brancas, azuis, amarelas e pretas, em sua totalidade, as mais diferentes espécies de borboletas representam um tronco comum a um ser mágico bastante conhecido: as fadas. Mais antigas na árvore evolutiva e mais resistentes, as borboletas deram origem a diferentes tipos de fadas. Estas se foram devido a falta de fé das pessoas,  as borboletas, que nunca dependeram do credo de alguém, só foram ser perseguidas nos últimos séculos, sendo sumariamente sequestradas por jovens cegos por sua ciência para completar insetários macabros ou mais recentemente, aparecer em redes sociais.

Já me perdi uma vez e com esta são duas. O que estava dizendo? Ah, sim, os gatos e sua natureza mágica.

Gatos são caçadores impiedosos, guardiões de tesouros sem fim, dormem profundamente sobre  suas posses, porém ao menor ruído despertam e abrem seus grandes olhos de pupilas verticais. Seu manto lustroso os protegem do atrito com o ar, tornando seu pouso leve, silencioso e macio. Na Idade Média foram amplamente caçados e seu último suspiro queimou a Europa com a Peste. Vejam só se quem ressoa ao nosso lado na cama nada mais é que um belo dragão?

Livros de Janeiro e Fevereiro

Devido a greve das universidades federais meu semestre está atrasado, o que resultou num fim de período trabalhado em correria e cansaço que durou até sexta, dia 28/02. Na prática, significou que li sim, mas não sem me sentir culpada por trocar o estudo pelo lazer e que não fiz nenhuma resenha nova. Espero que nas férias, quando terei mais tempo, possa tranformar meus rascunhos em resenhas, principalmente de livros mais desconhecidos.

Sendo assim, cá está uma lista rápida do que li nesses primeiros meses.

 

Janeiro:

Fausto – Goethe

Dom Casmurro – Machado de Assis

A Consciência de Zeno – Ítalo Svevo

Memórias de um Sargento de Milícias – Manuel Antônio de Almeida

Lira dos Vinte Anos – Alvares de Azevedo

Fevereiro:

O Quinze – Rachel de Queiroz

O Livro dos Seres Imaginários – Jorge Luís Borges

Água-Viva – Clarice Lispector

Bônus:

Em Fevereiro não li os quatro livros (para quatro semanas) da minha lista, mas li uns bônus que pessoas queridas me emprestaram:

Onde estivestes de noite – Clarice Lispector

Toda Poesia – Paulo Leminsk

 

Se alguém quiser me acompanhar pelo instagram, posto com frequência fotos dos livros que estou lendo: @frida_isabel